CECILIA BEZERRA

 

 

Nascida em junho de 1960, na capital de São Paulo Cecilia Bezerra, foi criada pelos pais até os 13 anos de idade em 1973, ano em que foi expulsa de casa pelo pai por ser homossexual, indo morar nas ruas do centro de São Paulo em plena ditadura militar.

Entre idas e vindas à antiga Febem, atual Fundação Casa, e a casa de seus pais, pois na época o juizado de menores recolhia as crianças e adolescentes das ruas, os levava para a Febem e os encaminhavam de volta para a casa dos pais - em um desses retornos Cecilia Bezerra foi submetida à internação em um hospital psiquiátrico para a suposta “cura gay”, onde passou um triste período de sua vida.

Nos anos 80 lavava motores de carros em oficinas para pagar o curso profissionalizante de auxiliar de enfermagem, concluído graças ao seu esforço e o incentivo de amigos e das Irmãs Marcelinas.

Nos anos 90 foi referência em um programa do governo no combate as drogas auxiliando até hoje usuários que queiram abandonar o vício.

Há 27 anos atua na área da saúde, ajudando pessoas independente de raça, religião, condição física e sexual. Exerce consultoria de saúde em clínicas, hospitais e gabinetes parlamentares, além de palestrar sobre saúde pública, combate e prevenção às drogas, diversidade sexual e superação. É ativista humanitária e no decorrer destes 27 anos vem lutando por melhorias nas políticas públicas, acessibilidade, inclusão, melhor atendimento hospitalar aos pacientes e melhores condições de trabalho para os funcionários do sistema de saúde e segurança, sendo ela pública ou privada, sempre combatendo o preconceito, discriminação e a restrição de direitos na comunidade LGBT, surdos e da pessoa com deficiência física e intelectual.  

Em 2013 foi eleita Conselheira Estadual dos Direitos da População LGBT de São Paulo pelo voto da sociedade civil.

Cecilia Bezerra é conhecida na área da saúde pela sua luta contra um sistema já falido e por sua transparência e objetividade. É grande conhecedora - e por que não dizer sobrevivente - dos principais problemas que acometem a saúde pública, a comunidade LGBT, os surdos, os deficientes físicos e intelectuais e o tratamento de dependentes químicos. É referência na comunidade surda pelo seu trabalho de esclarecimento e ajuda.

Hoje Cecilia Bezerra é exemplo de superação, de que a cura gay não existe e de que a vontade de ajudar ao próximo podem mudar vidas.

 

" Somos LGBT. Somos Surdos. Somos Cegos. Somos Cadeirantes. Somos Negros. Somos idosos.Somos de todos os lugares. Estamos em todos os lugares. Somos iguais. Somos diferentes. Respeitamos as diferenças. Respeitamos todas as religiões. Eu gosto do verde. Você do amarelo. E daí? SOMOS TODOS HUMANOS! RESPEITE SEMPRE! RESPEITOGAY." Cecilia Bezerra